sábado, 13 de abril de 2013

Resenha: Os homens que não amavam as mulheres - Stieg Larsson


Encontre o Livro
Título: Os homens que não amavam as mulheres
Autor: Stieg Larsson

Editora: Companhia de Letras
Edição: 4

Ano: 2011
Páginas: 522

Tradução: Paulo Neves

Na Suécia, 18 % das mulheres foram ameaçadas por um homem pelo menos uma vez na vida.

Sinopse: Primeiro volume de trilogia cult de mistério que se tornou fenômeno mundial de vendas, Os homens que não amavam as mulheres traz uma dupla irresistível de protagonistas-detetives: o jornalista Mikael Blomkvist e a genial e perturbada hacker Lisbeth Salander. Juntos eles desvelam uma trama verdadeiramente escabrosa envolvendo a elite sueca.


ÓTIMO/FAVORITO

O livro gira em torno de um enigma que traz consigo várias histórias. Tudo começa em 1966 com o desaparecimento repentino de Harriet Vanger, sobrinha e herdeira de um dos maiores líderes da indústria sueca. Todos os membros da família viviam - e alguns ainda vivem - na ilha de Hedebyön que no dia do ocorrido tinha seu acesso fechado devido a um acidente. 

Todos as coincidências são muito estranhas, teria sido um pretexto para que o assassino de Harriet pudesse agir sem ser percebido? Seria alguém da família? Ou melhor, havia mesmo um assassino a solta? Henrik Vanger, tio da garota, acreditava que sim. E a cada aniversário a chegada de uma nova flor emoldura como presente (o mesmo dado por Harriet) suas suspeitas só aumentavam.

Millennium 1
Clique na imagem para ampliar

Após quarenta anos de buscas sem sinal de corpo ou provas conclusivas, o caso é arquivado. O industrial decide então contratar o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael acabara de ser condenado por difamação contra o empresário Wennerström e sua credibilidade como jornalista investigativo na revista Millennium não seria a mesma que antes. Desacreditado e sem saber que rumo tomar, ele aceita a proposta de Henrik que lhe oferece proteção para a Millennium, um bom apoio financeiro e provas contra Wennerström se, em troca, o jornalista investigar o assassinato de Harriet. 

Mapa da ilha de Hedebyön (clique para ampliar)

Não se enganem quanto ao interesse de Henrik por Mikael. O motivo disso fora uma pesquisa minuciosa sobre todo o passado do jornalista feito na Milton Security, onde Lisbeth Salander trabalha. Desde o julgamento divulgado em toda imprensa  Lisbeth havia adquirido um interesse especial pelo caso Wennerström, alguma coisa naquela história não lhe caia bem. O interesse pela corrupção do empresário levou-a até Mikael Blomkvist, e quando foi chamada para investigar sua vida não encarou com nenhuma surpresa, pois no fundo o considerava um homem inocente.

"No mundo de Lisbeth Salander, era esse o estado natural das coisas. Enquanto mulher, ela era uma presa autorizada, sobretudo a partir do momento em que vestia uma jaqueta de couro preto e gasto, tinha piercings nas sobrancelhas, tatuagens e um status social nulo." p.211

Com o auxílio de Lisbeth Salander, uma mente infatigável para a busca de dados, ele logo percebe que a trilha de segredos e perversidades da família Vanger remonta até muito antes do sumiço de Harriet. E segue até muito depois... Um presente que nenhum dos dois estava disposto a encarar.

Agressão física, abuso de poder, violência sexual daí que vem o título para "Os homens que não amavam as mulheres". Um emaranhado de histórias, numa narrativa de tirar o fôlego. A revisão do texto está excelente, não encontrei um erro sequer de ortografia. A diagramação dos capítulos facilita a leitura por contar com pausas na própria narração. Meu primeiro livro policial-mistério e me senti totalmente grato por lê-lo.


Uma das pistas mais importantes sobre o que aconteceu a Harriet.

As imagens aqui mostradas foram extraídas do próprio livro e pus para vocês terem a dimensão quando eu me refiro a "emaranhado de histórias". O autor cria tantas teorias e pistas que faz com que desconfiemos de nossa próprio sombra. A história é narrada ora sob o ponto de vista de Lisbeth ora pelo ponto de Mikael, tudo em terceira pessoa; sempre que eu estava na companhia de um queria o outro e vice versa (Paixão pelos dois Personagens!!).





CURIOSIDADE: O tema da violência sexual contra as mulheres nos seus livros deve-se ao fato de que Larsson, enojado, testemunhou o estupro coletivo de uma jovem quando ele tinha 15 anos. O autor nunca se perdoou por não ajudar a garota, cujo nome era Lisbeth - como a jovem heroína de seus livros, e resolveu dedicá-los a ela.

FILME: Há duas versões para essa mesma história. Uma produzida em 2009 na Suécia e outra recentemente (2012) nos Estados Unidos tendo Daniel Craig (007) no papel principal. 


* Millennium: As diferenças entre as versões Americana e Sueca. 


Stieg Larsson vida e obra
Clique aqui e saiba mais sobre o autor

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Olá Gisela. Eu me apaixonei pela história ao ler as primeiras páginas, o livro é imenso mais ao mesmo tempo te prende de uma forma... Pretendo ver os filmes suecos em breve, mas o que gostei dos Estados Unidos foi que (de um modo geral) foram fieis ao livro. Obrigado por aparecer por aqui e deixar sua opinião. Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  2. GiselaMenicucciBortoloso24 de março de 2014 12:17

    Sou apaixonada por esta trilogia, a cada livro a história só melhora e te surpreende. Já vi os 3 filmes suecos e gostei muito. O que não gostei na versão dos Estados Unidos foi que mudaram um pouco o final.

    Não sabia sobre a curiosidade que você colocou sobre o tema, achei interessante.

    Abraços,

    Gisela

    @lerparadivertir

    LerparaDiverir

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...